Terça-feira, 14 de Outubro de 2008

As reformas educativas

Sempre se ouviu falar que há insucesso escolar, e como tal é necessário reformar o sistema, mas o que se verifica é que a ladaínha é sempre a mesma!

Reflexão: o que tinha a escola antiga que a de hoje não tem, e o que tem a de hoje que a antiga não tinha? E porque é que ambas falham no pressuposto de combater o insucesso escolar?

Falham porque a antiga tinha valores mas não tinha meios tecnológicos e disponibilidade de informação; falham porque a de hoje tem os meios tecnológicos e de informação, mas faltam-lhe os valores! Enquanto os engenheiros sociais e pseudo-pedagogos continuarem a decidir dos destinos educativos de outros, e que de quando em vez se outorgam de serem os arautos da mudança, tudo muda na mesma!

Porquê este ensino formatado, onde os professores são robots e os alunos máquinas? Porquê devem os professores produzir trabalho inócuo e sem sentido, se esse trabalho lhes não faz sentido, os limita e reduz, e restringe o seu espaço de sanidade mental para o exercício daquilo que melhor sabe, conduzir os alunos ao sucesso?

Porque interessa mascarar o próprio insucesso dos dirigentes, e se ninguém souber, então eles não fazem má figura!!!!!

Que fazemos nós professores? Embarcamos nesta vertiginosa loucura colectiva induzida e não optamos pela desobediência civil, na certeza de que estaremos certos e eles errados, porque a maior parte fala em surdina, mas sem coragem de abrir a boca nos locais e a quem de direito, fazendo!

Se está errado, é nosso dever público, cívico e de cidadania, desobedecer na defesa dos que o ainda não podem fazer!

Os alunos não nos perdoarão esta falha estrutural que permitimos acontecer, e que moralmente estamos responsabilizados pela morte dos ideais porque nossos pais e avós lutaram (pais e avós em sentido figurado, pois não sei se meus pais e avós o fizeram efectivamente).

Está na altura de dizer o politicamente incorrecto: avaliação não, porque os alunos são variáveis móveis e imprevisíveis! Avaliação não porque o pior professor pode ter boa nota e o melhor professor ser crucificado! Ser avaliado por pares ou outros num país de déspotas e sequiosos de manter lugares e empregos (não trabalho!), tudo farão para agradar ao sistema (que é o que se vê, desde as estruturas escolares às estruturas sindicais!).

Está na hora de inverter o sistema, devolver o destino da escola aos professores, verdadeiros líderes do sistema, e não a alunos e pais!

Chega!!!!

 


publicado por Pedro Santos às 22:06
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Elisabete Ribeiro a 24 de Outubro de 2008 às 21:33
Amigo, lê o artigo seguinte. Se assim fossem todos estariamos bem.
http://www.profblog.org/2008/10/escola-secundria-camilo-castelo-branco.html


Opinar

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Adicionar como amigo

. 1 seguidor

.Visitas bemvindas

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.O que escrevo

. O ataque ao direito ao tr...

. E o decreto-lei 132/2012,...

. Mutualização da dívida do...

. Um pensamento sobre o sub...

. A crise e a poupança

. Uma análise à crise portu...

. Se eu fosse Primeiro Mini...

. O Minsitério da Educação,...

. O Excessso de Zelo

. O 5º Congresso Educação

.Portas para outras dimensões

.Quem me liga

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

.Procure(a)

 

.Portas para outras dimensões

SAPO Blogs

.subscrever feeds