Terça-feira, 19 de Setembro de 2006

O insucesso da matemática e a vã guerra entre professores

Foi criado o plano de desenvolvimento e combate ao insucesso da matemática em Portugal. Para isso, está proposto a possibilidade de mais de um professor de matemática dentro de uma sala de aula para servir de apoio ao professor já existente. A associação de professores de matemática nunca irá ser contra pois isto significa mais lugares para os seus associados e afins. Mas esta situação está armadilhada, visto que desta forma não se combate de todo o insucesso na generalidade das disciplinas, nem o insucesso na formação dos alunos enquanto indivíduos capazes e respeitadores de normas e regras de vida em sociedade. Para isso é necessário ambientes mais "controlados", e entenda-se controlados não como ambientes repressivos, mas ambientes que dessensibilizem os comportamentos inapropriados. Para isso acontecer, turmas grandes dificilmente se enquadram em ambientes desse tipo. Em vez de baterem palmas por este aumento do número de "jobs" (entendam esta ironia), deveriam dizer, pondo de parte o corporativismo,  que esta medida não beneficia os alunos. Deveriam exigir a diminuição dos alunos por turma, que conseguiria dessa forma os mesmos "jobs" para esses professores, mas além disso, beneficiaria os alunos pois cada professor teria mais tempo útil para ministrar feebacks a cada um. Mas isto é dinheiro, e o dinheiro é preciso para pagar funcionários públicos que não se sabe quanto ganham nem o que fazem, para pagar motoristas e carros, para pagar subsídios de reinserção milionários, para alimentar reformas quando as pessoas ainda estão no activo, etc...

Por isso, professores e pais deste país, antes de embarcarem nas estratégias de guerrilha institucional levadas a cabo por quem de direito, e bem por sinal, pois estão a fazer o seu papel em virtude de objectivos definidos, percebam que o único sector da sociedade portuguesa onde nunca deveria haver cortes era na educação. Sem ela nada mais existe, nem saúde, nem justiça, nada. Como se desenvolve o  Portugal Profundo se se encerram as únicas estruturas que o ligavam ao Portugal Português? O que se deveria fazer era aumentar ainda mais a despesa, criando as condições adequadas para todos os intervenientes no processo educativo, criando estruturas de excelência no interior que levassem ao estabelecimento de pessoas e serviços nesses lugares. Estarei errado? Não sei, o que sei é que desta forma Portugal ficará reduzido à sua orla costeira, e não vejo porque é que os nossos antepassados lutaram e morreram para aumentar o território...


publicado por Pedro Santos às 09:06
link do post | comentar | favorito
|

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Adicionar como amigo

. 1 seguidor

.Visitas bemvindas

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.O que escrevo

. O ataque ao direito ao tr...

. E o decreto-lei 132/2012,...

. Mutualização da dívida do...

. Um pensamento sobre o sub...

. A crise e a poupança

. Uma análise à crise portu...

. Se eu fosse Primeiro Mini...

. O Minsitério da Educação,...

. O Excessso de Zelo

. O 5º Congresso Educação

.Portas para outras dimensões

.Quem me liga

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

.Procure(a)

 

.Portas para outras dimensões

SAPO Blogs

.subscrever feeds